Lista de Alimentos da Dieta Paleo: O que comer e não comer na Dieta Paleolítica?

Quer saber os alimentos permitidos na dieta paleo, além de dicas sobre como escolher os pratos? Confira abaixo a nossa lista!

alimentos da dieta paleo

Carnes e Ovos

Com relação as carnes, basicamente qualquer carne pode ser consumida – desde que o animal tenha sido alimentado e tratado de forma natural e o mais próxima possível de seus parentes selvagens: sem ração, alimentos naturais (não baseados em grãos), com espaço para correr, sem antibióticos e os chamados “melhoradores de desempenho”.

Sabemos que é difícil encontrar esse tipo de carne, e quando encontramos, o custo é bem alto. Portanto, se você não encontrar carnes exatamente nesse estado – calma! Basta preferir as carnes mais magras e evitar consumir vísceras e gorduras. Assim como nós, outros animais também podem acumular toxinas nas gorduras.

Alimento Considerações
Carnes vermelhas As carnes mais tradicionais, como: carne bovina, carne de porco, cordeiro, vitela. Sendo que é mais fácil encontrar carne de boi, porco e cordeiro alimentadas no pasto.

As carnes exóticas também podem ser consumidas, como: coelho, cabra, carneiro, cavalo, javali, veado, urso, alces, galinhola, pato, coelho, rena, peru selvagem, entre outras

Aves Frango, peru, pato, codorna, ganso, etc. Frango normalmente é uma carne mais fácil de encontrar.
Peixes e frutos do mar Salmão, atum, truta, linguado, arenque, tilápia, bacalhau, garoupa, cavala, anchova, caranguejo, lagosta, camarões, vieiras, ostras, mexilhões, etc.

Dadas as condições atuais, é mais simples encontrar trutas – mas lembre-se de sempre preferir peixes que não são alimentados com ração.

Ovos Preferencialmente caipira e orgânicos, galinhas não alimentadas com ração.

Basicamente, ovos de qualquer ave: galinhas, patos, gansos, codornas, entre outras.

Consumo: livre quando os ovos são de aves criadas livres e sem uso de ração.

Leite e/ou Derivados de Leite Cru ou derivados fermentados. Preferencialmente orgânico, proveniente de vacas alimentadas no pasto (sem ração), de forma orgânica.

Consumo: moderado.

Gorduras

Com relação as gorduras, é interessante não utilizar para o preparo de alimentos gorduras vegetais que oxidam com facilidade – azeite, por exemplo, é uma má pedida no preparo de alimentos cozidos/fritos/quentes.

No geral, sempre evitar óleos processados, provenientes de grãos e sementes: girassol, soja, canola, algodão, entre outros.
Jamais consuma margarina e gorduras hidrogenadas!

Algumas fontes de gorduras super aprovadas: abacates, azeite de oliva (para ser consumido frio ou temperatura ambiente), óleo de côco, manteiga clarificada (ghee), banha, manteigas de nozes (macadâmia, nozes, castanhas, etc), etc.

Alimento Considerações
Derivados de côco – óleo, leite, flocos, farinha, etc. Desde que não estejam misturados ou processador com outros alimentos não liberados. Consumo: livre
Azeite de oliva Consumo é livre, desde que não seja aquecido (ou seja, não pode ser usado no preparo de alimentos).

Vegetais

Os vegetais são, praticamente, todos liberados. Desde que se tome o cuidado de preferir os vegetais da estação (dessa forma você evita o consumo desnecessário de químicas). Prefira sempre vegetais de produtores locais.

Lembre-se que alguns vegetais são ricos em carboidratos – portanto, procure ajustar o consumo de determinados vegetais com a sua necessidade diária de energia.

Alimento Considerações
Folhas Liberadas. Exemplos: Alface, espinafre, couve, mostarda, acelga, agrião, endívia, rúcula, chicória, radicchio, etc.
Tubérculos Liberadas. Mas tomar cuidado com o excesso. Exemplos: Cenouras, beterrabas, nabos, nabo, batata doce, rabanete, inhame, mandioca, etc.
Outros vegetais Liberados.

Exemplos: Aipo, tomate (embora seja uma fruta, né? hehe) , pimentão, cebola, cebolinha, alho-poró, couve-flor, brócolis, aspargos, pepino, repolho, alcachofras, quiabo, abóboras em geral (Abóbora brasileira, abóbora japonesa, abobrinha, etc).

Frutas Em moderação. Apenas o limão é totalmente liberado.

Prefira frutas de estação, orgânicas e de produtores locais. Preferir o consumo de frutas in natura.
Também preferir o consumo de frutas menos ricas em frutose, como: morangos, blueberry, cranberry, amora, mirtilo, amora, melancia, melão, cerejas.

Bananas, maçãs, laranjas, morango, grapefruit, pêras, pêssegos, nectarinas, ameixas, romã, abacaxi, mamão, uvas, cerejas, abricó, kiwi , limão, lichia, manga, tangerina, côco, figos, tâmaras, maracujá, caqui, abacate, etc.

Temperos naturais Liberados.

Gengibre, alho, cebola, pimenta preta, pimenta, anis estrelado, erva-doce, mostarda, pimentas cominho, açafrão, canela, noz-moscada, páprica, baunilha, cravo, etc.

Oleaginosas Em moderação.

Pistache, castanha do Pará, sementes de girassol, sementes de gergelim, sementes de abóbora, nozes (pecã, e outras), pinhão, macadâmia, castanha de caju, amêndoas, avelãs, etc.

Obs.: a maioria das oleaginosas são ricas em Ômega 6 – por esse motivo seu consumo não é liberado, uma vez que pode desequilibrar a quantidade de Ômega 3 versus Ômega 6 no corpo. Esse desequilíbrio pode levar a processos inflamatórios.

Cogumelos Liberados – desde que preparados sem shoyu.
Grãos e Cereais Não consumir!

Exemplos: Arroz, feijão, lentilhas, soja, cevada, aveia, etc.