Dieta da Proteína

Uma das dietas mais faladas e usadas para quem procura emagrecer em pouco tempo é a chamada dieta da proteína. Consiste basicamente em eliminar todos os alimentos carboidratos do cardápio durante o período de dieta e investir em proteínas magras, vindas do ovo, carnes e verduras.

tabua de comida com fita métrica azul.

Antiga Dieta da Proteína

A antiga dieta da proteína consistia em chacoalhar o nosso sistema biológico em uma sequência de três fases de 14 dias – sendo que a principal diferença entre as três fases é a quantidade de calorias liberadas. Essa dieta também é chamada de dieta do carboidrato, e foi desenhada inicialmente pelo Dr. Atkins.

Em todas as fases os alimentos liberados são:

  • verduras,
  • legumes,
  • leite (e seus derivados),
  • carnes de corte magro.

Fase 1

Na primeira fase, o consumo calórico é de apenas 1.000 calorias, sendo que nos primeiros dias é absolutamente proibido ingerir qualquer fonte de carboidratos (inclusive legumes, verduras e frutas). Nessa fase, quando seguida à risca, é possível perceber a perda de cerca de 50% do excesso de peso.

Fase 2

A segunda fase começa com 1.100 calorias, e o consumo de calorias pode ir aumentando gradativamente até chegar na marca de 1.500 calorias por dia.

Fase 3

Já na terceira fase, não são feitas restrições – todos os tipos de alimentos são liberados, em moderação. Os dois princípios que essa dieta segue são:

1) a de induzir o seu corpo a um estado cetogênico (onde ele queima gordura ao invés de carboidratos) e ir aumentando gradativamente a quantidade de carboidratos na alimentação.

2) Reeducar os hábitos alimentares, de maneira que o usuário passe a consumir mais legumes, verduras e proteínas magras ao invés de calorias vazias (como massas, sorvetes, doces, etc).

Vantagens e Desvantagens da antiga dieta da proteína

Segundo pesquisas, esta dieta tem estas fases para que você e seu corpo se acostumem com a nova rotina e o fator de liberar tudo na terceira fase é para padronizar o seu corpo e fornecer o emagrecimento sustentável, um emagrecimento que fornece uma estrutura interna com cada fase melhorando os fatores psicológicos e mantendo um equilibro em sua mente para não cometer excessos.

A grande desvantagem da antiga dieta da proteína são suas restrições e possibilidade de falha.

Por ser muito restritiva nas primeiras semanas, quem faz a dieta pode se sentir fraco e cansado, bem como desmotivado para continuar a dieta por muito tempo.

De qualquer forma, se você se interessou pela dieta, não se esqueça de levar a idéia para seu nutricionista, que ele vai te ajudar a montar um cardápio balanceado, mesmo que seguindo os mesmos princípios.

Nova Dieta da Proteína

A dieta da proteína vem sendo estudada e recentemente surgiu uma nova versão da dieta da proteína, que promete ainda mais emagrecimento sem prejudicar a saúde e sem deixar de fornecer nutrientes importantes para o organismo.

Uma das novidades é que aqui os carboidratos não ficam de fora, por ser um combustível importante para o nosso corpo. Ao invés de eliminar carboidratos, eles devem ser consumidos com moderação. A nova dieta da proteína é bastante similar a Slowcarb, a única diferença entre elas é o consumo de laticínios.

Da mesma forma que a dieta da proteína do Atkins, na nova dieta da proteína as proteínas das carnes, ovos, leite continuam sendo as principais protagonistas; mas na nova versão, elas ganham a ajuda do suplemento Whey Protein.

Da mesma forma que a dieta antiga, a dieta das proteínas de alto valor biológico também é dividida em fases, confira:

Fase 1

A primeira está focada em eliminar o excesso de peso e pode durar até 14 dias, com a alimentação diária na faixa de 1.000 calorias. Nessa fase, procure fazer exercícios leves para te ajudar a chegar mais rápido nos resultados.

A primeira fase só deve ser feita até que você atinja a sua meta de perda de peso – e jamais por mais de uma semana.

Fase 2

A reeducação alimentar é a chave da segunda fase, menos restritiva e que dura até cinco semanas. Alguns alimentos voltam a ser permitidos com moderação mas nada com muito açúcar pode entrar no cardápio, para não atrapalhar os resultados.

Nessa fase é mais interessante priorizar alimentos com baixo índice glicêmico, como legumes, verduras, castanhas, carnes magras e leite.

Fase 3

Por fim, a fase final libera toda a alimentação e chama atenção apenas para a moderação no consumo dos alimentos que antes eram restritos. Essa mudança de hábito causada através das três fases faz com que os quilos perdidos não sejam recuperados e haja uma manutenção do peso. Com isso, a nova versão da dieta promete ser ainda mais eficiente que a primeira e com efeitos mais duradouros.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *