Chucrute: o que é? Benefícios e Receita!

Acompanhamento típico da culinária alemã, o chucrute (sauerkraut), é feito basicamente de repolho cortado em finas fatias, amassado e fermentado com sal. No Brasil, esse prato é consumido principalmente na região sul, devido a colonização alemã. Na culinária alemã, o chucrute normalmente acompanha pratos com carne de porco e salsichas diversas, mas ele pode ser consumido junto com saladas.

A receita mais tradicional leva apenas repolho e sal, mas devido à adaptações, o chucrute ganhou mais temperos e outras formas de preparo. Existem receitas que levam cominho, zimbro, louro, gengibre, cravo, vinho branco, entre outros ingredientes.

O processo de fermentação do chucrute faz com que as bactérias quebrem os açúcares do repolho, liberando ácido lático. Assim como o Kefir e o Kimchi, o chucrute também é um alimento probiótico.

Quer saber mais sobre o chucrute? Confira!

Chucrute

Benefícios do Chucrute

O processo de fermentação de vegetais é muito interessante! Além de tornar os vegetais mais fáceis de serem digeridos, a liberação de ácido lático é capaz de conservar esses alimentos por mais tempo (não é por acaso que vegetais fermentados são chamados de “conservas”).

Esse processo de fermentação é feito por bactérias do tipo lactobacillus que, além de produzir o ácido lático, ainda produzem enzimas, substâncias antibióticas e anticarcinogênicas. Outro ponto bem interessante do chucrute: ele é um probiótico natural e é excelente para restaurar e manter o equilíbrio da flora intestinal.

Vale lembrar que, ao melhorar a saúde de sua flora intestinal, você contribui para a melhora do sistema imunológico como um todo. Pelo simples motivo de que uma grande parte do nosso sistema imune está localizado justamente no trato intestinal.

Outro ponto interessante do chucrute: estudos em laboratório mostraram que algumas substâncias presentes nesse alimento auxiliam o corpo a combater inflamações. Por si só, essa característica é interessante, pois sabemos que as inflamações possuem um papel crucial em diversas doenças crônicas, como desordens mentais, síndrome do intestino permeável, alguns tipos de câncer, asma, doenças auto imunes, entre outras.

O consumo de alimentos probióticos e uma flora intestinal equilibrada promovem o equilíbrio hormonal que, por sua vez, ajuda a reduzir as “vontades de comer doce”, bem como regular corretamente o mecanismo da fome! (uau!). O consumo de probióticos também está associado a um menor risco de obesidade e maior facilidade de perda de peso. 😉

 

Ou seja: para a galera que tem problemas para ir ao banheiro fazer o número 2, o chucrute pode ajudar, hein?

Como fazer o chucrute?

Existem várias maneiras diferentes de fazer o chucrute, algumas levam vinho entre os ingredientes, outras pedem para ferventar o repolho antes de começar o processo de fermentação.

Nós experimentamos algumas receitas aqui na equipe, mas gostamos bastante do método ensinado pela Cristiane Zimmermann e pela equipe do Lou lou raw (vídeo abaixo):

Além do vídeo acima, você pode conferir o passo a passo de como fazer o chucrute na receita abaixo. 😉

Ingredientes

  • 1 cabeça de repolho branco ou roxo;
  • Sal do himalaia (1 ou 2 colheres de sopa);
  • Temperos à vontade: endro, cominho, louro, gengibre são os mais comuns.

Modo de preparo

1) Tire as folhas escuras de fora do repolho e as higienize bem.

2) Corte o repolho em quatro partes, em cruz, e retire o miolo (coração) do repolho. Reserve essa parte.

3) Corte as folhas de maneira bem fininha e coloque em um recipiente grande e largo (bacia, assadeira ou tigela grande).

4) Para cada camada de dois dedos de repolho, salpique uma camada fina de sal.

5) Assim que terminar de picar o repolho, use seus punhos ou um massete para amassar as folhas de repolho já picadas.

6) Nesse momento, você pode misturar os temperos de sua preferência (recomendamos um pouco de gengibre ralado, o sabor fica muito interessante).

7) O processo de “amassar” as folhas de repolho deve ser feito até que essas folhas fiquem com aspecto de “cozido” e soltem uma água.

8) Pegue um vidro grande, preferencialmente com fechamento hermético e vá adicionando as folhas de repolho no fundo, prensando as folhas continuamente.

9) Preencha o vidro até cerca de um palmo para fechar.

10) O repolho deve ficar imerso na água que ele mesmo soltou, cerca de dois centímetros acima do nível de repolho.

11) Use as folhas de fora do repolho para isolar o repolho picado do ar.

12) Use o miolo do repolho para criar um peso em cima do repolho.

13) Feche o vidro, tendo atenção para que o mesmo não fique muito preso, uma vez que o processo de fermentação libera gases (e esses gases precisam sair).

14) Para fermentar, coloque o vidro em um armário que não receba luz direta, seja pouco usado e fique longe de fontes de calor.

Importante

Vale lembrar que a temperatura ideal para fermentar o chucrute fica entre 18 °C a 24 °C, e o processo de fermentação pode levar de 3 dias até 6 semanas, dependendo da temperatura.

No caso de temperaturas mais altas, o chucrute pode estragar ou fermentar de forma muito rápida. Nesses casos, é necessário checar de dois em dois dias se a fermentação está ocorrendo de forma correta.

História do Chucrute

O chucrute (sauerkraut, que também significa, “repolho azedo”) é um prato nativo da Europa Oriental, especialmente Alemanha, Polônia e Rússia; países onde o repolho é uma das bases da alimentação. O repolho chegou nas américas por volta de 1700, com os primeiros imigrantes.

Por mais que o processo de fermentação de vegetais possa parecer algo muito complicado, esse processo já tem sido realizado há muitas gerações com um único propósito: manter os alimentos por mais tempo. Afinal de contas, a geladeira e os conservantes são invenções relativamente novas. 😉

Fontes: 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *